Sustentabilidade: internos participam de projeto de reciclagem nas unidades prisionais

23 de Abril de 2018

O sistema penitenciário conta com incentivo à ocupação dos internos e ao cuidado com o meio ambiente através do projeto Reciclovidas, implantado pela Secretaria da Justiça e Cidadania do Estado (Sejus) por meio da Coordenadoria de Inclusão Social do Preso e do Egresso (Cispe). O projeto já tem dois anos e envolve atualmente cerca de 60 apenados em onze unidades na região metropolitana de Fortaleza. Com o intuito de reaproveitar resíduos sólidos como garrafas pet, papelão e papeis, o material selecionado é enviado para a Cooperativa Nordestina de Catadores de Resíduos (Coomvida), que finaliza o processo de reciclagem.

Entre 2017 e 2018, mais de nove toneladas de material foram separadas e encaminhadas para a Coomvida. Dentro das unidades participantes, os internos que trabalham diretamente com a atividade recebem uma ajuda de custo e, além desses, os que atuam na capinagem e na limpeza também auxiliam na seleção do material.

De acordo com o biólogo e secretário executivo da Coomvida, Edson Martins, o Reciclovidas atende a três pilares de extrema relevância: o social, o ecológico e o econômico. “Com o material coletado dentro do sistema, catadores do lado de fora das unidades também são beneficiados com a oportunidade de trabalho e melhoria da renda mensal. No que diz respeito à ecologia, a reciclagem cura um material que, a princípio, iria poluir o meio ambiente em aterros”, destaca.

A coordenadora da Cispe, Cristiane Gadelha, destaca a mudança de cultura promovida dentro das unidades: “Percebemos através do projeto uma cuidado maior dos próprios internos com os resíduos e uma melhoria dos ambientes. Onde o projeto funciona, vemos presídios mais limpos, saudáveis e livres de doenças”, afirma.

As unidades participantes do Reciclovidas são: Instituto Presídio Professor Olavo Oliveira II (IPPOO II); Penitenciária Francisco Hélio Viana de Araújo (Pacatuba); Instituto Penal Feminino Auri Moura Costa (IPF), Casa de Privação Provisória de Liberdade de Caucaia, Unidade Prisional Agente Luciano Andrade Lima (CPPL 1), Instituto Psiquiátrico Governador Stênio Gomes (IPGSG), Hospital Penitenciário Otávio Lobo (HSPOL); Unidade Prisional Irmã Imelda Lima Pontes; Unidade Prisional Professor José Sobreira de Amorim, Centro de Triagem e Observação Criminológica (CTOC) e Centro de Execução Penal e Integração Social Wasco Damasceno Weyne (CEPIS). Ainda no mês de abril, mais duas unidades iniciarão as atividades do projeto.